Com média de 1800 mortes por dia por Covid-19, Brasil é escolhido para sediar a Copa América. Redes sociais não perdoam

0
136
Copa América

O nonsense e, segundo muitos que já começaram a se manifestar na imprensa ou pelas redes sociais, a falta de respeito pela saúde e o esporte falaram mais alto e a Conmebol decidiu em reunião realizada na manhã desta segunda-feira que o Brasil sediará a próxima Copa-América, que começará no dia 11 de junho.

A decisão já causa muita polêmica e há quem defenda inclusive uma ampla campanha contrária à realização do evento. Afinal – e principalmente devido à desastrosa ação do próprio governo brasileiro no combate à pandemia – a média móvel de mortes por dia no Brasil por conta da Covid-19 ainda é altíssima, cerca de 1.800 e abaixo apenas da Índia em todo o planeta.

Inicialmente a Copa América seria organizada na Argentina ou na Colômbia. Este último país pediu o adiamento por estar passando por uma grave crise sanitária e inúmeras manifestações políticas de rua, o que inviabilizaria a disputa. A Conmebol recusou prontamente e os colombianos então desistiram. Logo em seguida a Argentina demonstrou bom senso e intenção de combater a grande alta de casos em seu território e também renunciou à organização do evento.

O cancelamento da competição parecia o caminho mais provável, pois quase todo o continente americano passa por um momento difícil da pandemia e há países que não teriam estádios e capacidade de organização. É o que se esperava da Conmebol, mas não foi o que aconteceu.

Na reunião desta segunda-feira optou-se pelo Brasil, confessadamente porque o País organizou o evento de 2019 e tem vários estádios “em condição” de serem utilizados para a disputa do torneio. Segundo os críticos, porém, o descuido e quase indiferença do governo brasileiro no combate ao vírus, mesmo após cerca de 500 mil mortos pela doença – aliados à questão financeira – teriam falado mais alto que a saúde e o respeito ao esporte mais popular do planeta.

O torneio será realizado de 11 de junho a 10 de julho, provavelmente com a utilização de estádios em Natal, Brasília e Amazonas – justamente no local onde a população abandonada para sufocar pela doença, sofreu com a irresponsabilidade dos governantes. A final seria no Maracanã.

Nas redes sociais é possível ver expressões como “escárnio”, “deboche”, “chancela a um genocídio” entre as mais duras para definir a escolha do Brasil. De uma maneira ou de outra, a escolha configura com certeza mais um passo para a desmoralização do País em todo o mundo quando o assunto é Covid-19!