Premier League foi o destaque na janela de transferências

0
22
Premier League

O supercraque Lionel Messi movimentou o futebol mundial ao transferir-se do Barcelona, clube em que atuou por cerca de 20 anos, para o Paris Saint Germain (PSG) da França, onde mais uma vez jogará ao lado do amigo brasileiro Neymar. Apesar do peso da negociação envolvendo o argentino, o grande destaque da janela de transferências europeia ficou com a Premier League.

Mais uma vez o futebol inglês demonstrou força financeira num “período de compras” na Europa. Além do retorno de Cristiano Ronaldo, que deixou a Juventus e acertou a volta ao Manchester United, clube no qual viveu grandes momentos em sua vitoriosa carreira, na Inglaterra também ocorreram as transferências mais caras da janela de transferências de 2021.

O belga Romelu Lukaku deixou a Inter de Milão e foi para o Chelsea num negócio de 115 milhões de euros (cerca de R$ 700 milhões no atual câmbio) e Jack Grealish trocou o Aston Villa pelo poderoso Manchester City. Valor desta última transação? Nada menos que 117,5 milhões de euros (R$ 718 milhões), a mais cara da janela de transferência, deixando para trás o estrelismo de Messi e de Cristiano Ronaldo.

Outro destaque foi o retorno do francês Antoine Griezmann ao Atlético de Madrid. O jogador ficou sem clima no Barcelona depois da saída de Messi e muitos torcedores catalães chegaram, inclusive, a culpar o francês pela perda do maior ídolo da história do clube.

O PSG também contratou o zagueiro Sergio Ramos, o meia Wijnaldum e o goleiro Donnaruma, que não renovaram com o Real Madrid e, pelo menos por enquanto, segurou o jovem Mbappé, que acabou não se transferindo para o futebol espanhol nesta janela de transferência.

Voltando ao futebol inglês, além de acertar a volta de Cristiano Ronaldo, o Manchester United também contratou o zagueiro Raphael Varane (ex-Real Madrid) e o atacante Jadon Sancho, que atuou pelo Borussia Dortmund.

Com tantas transferências o futebol europeu ficou mais interessante e competitivo do que nunca e os clubes ingleses ainda mais fortes.