Clássico português é destaque no final da semana na Europa

0
184
Imagem: Divulgação

O destino da temporada no Campeonato Português pode ser praticamente decidido nesta sexta-feira quando o líder do torneio, o Benfica, receberá no Estádio da Luz, em Lisboa, o arquirrival Porto, que ocupa justamente a segunda posição na Primeira Liga. O clássico sempre envolve muita rivalidade em terras portuguesas e não deverá ser diferente.

O confronto está marcado para as 14 horas (horário de Brasília) e no momento os Encarnados estão com 71 pontos, dez a mais que o Porto na tabela de classificação. Após os jogos deste final de semana faltarão sete rodadas para o final do campeonato. Por isto, uma vitória praticamente decidirá o título da temporada a favor do Benfica. Ao Dragão só resta vencer fora de casa para manter as esperanças de levantar mais uma taça.

O técnico do Benfica, Roger Schmidt, reconhece que a vantagem na tabela em relação ao arquirrival dá muita tranquilidade na luta pelo título. Porém, o treinador deixa claro que um triunfo no clássico é fundamental por tratar-se de um dos chamados confrontos de seis pontos e sempre cercado de muita rivalidade. “Até sermos campeões de fato, não me sinto campeão”, destacou Schmidt.

Do lado do Porto, o treinador Sérgio Conceição, procura motivar seus jogadores enfatizando que uma vitória sobre o maior rival em seu próprio estádio dará muito mais moral ao Dragão e diminuirá a vantagem dos Encarnados para sete pontos, deixando a disputa menos desfavorável. “Queremos os três pontos e faremos tudo por eles”, prometeu o técnico dos Dragões.

O clássico português terá a transmissão direta para o Brasil feita pela ESPN + a partir das 13h45, horário de Brasília. No retrospecto do confronto a vantagem é do Porto, com 100 triunfos dos Dragões contra 89 dos Encarnados, além de 62 empates. Na última vez que se enfrentaram o Benfica levou a melhor, vencendo por 1 x 0 no estádio do adversário.

Escalações:

Benfica: Vlachodimos; Bah, Silva, Otamendi e Grimaldo; Chiquinho e Aursnes; João Mário, Rafa Silva e David Neres; Gonçalo Ramos.

Porto: Ramos; Manafa, Cardoso, Marcano e Wendell; Pepê, Otávio, Uribe e Galeno; Martínez e Taremi